Em nota oficial Ministério da Saúde volta atrás sobre origem do surto da toxoplasmose – FM 102.7 Mhz – A Gigante Do Rádio | Santa Maria – RS
loading...

Em nota oficial Ministério da Saúde volta atrás sobre origem do surto da toxoplasmose

0 2

O Ministério da Saúde lançou uma nota oficial, informando que ainda não está confirmada a origem do surto de toxoplasmose em Santa Maria. A nota contraria manifestação dada na manhã desta quinta-feira (21), pelo ministro da Saúde, Gilberto Occhi (foto), de que a origem da contaminação já estava identificada e que seria a água. A afirmação do ministro provocou a imediata reação do prefeito jorge Pozzobom, que convocou uma entrevista coletiva e chamou o Occhio de irresponsável. Já o secretário estadual da Saúde, Francisco Paz, em entrevista à Rádio Medianeira, disse que conversou com técnicos do Ministério da Saúde e que estes informaram que a origem do surto segue em investigação.

Confira toda a repercussão negativa da manifestação do ministro Gilberto Occhi.

Confira, abaixo, a nota oficial do ministério da Saúde.

A NOTA OFICIAL DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

“O Ministério da Saúde informa que uma série de fatores e hábitos de consumo estão sendo investigados, entre eles a água, para identificar a fonte de transmissão do surto de toxoplasmose que ocorreu no município de Santa Maria (RS). Alguns deles já foram descartados, como consumo de carne suína, frango, carne bovina e frutas. Outros fatores permanecem em análise.

Na investigação de caso feita por meio de entrevistas com a população, a causa provável de infecção é a água. A investigação, no entanto, permanece, inclusive, para determinar a origem da contaminação.

O Ministério da Saúde informa que tem auxiliado o estado do Rio Grande do Sul e Santa Maria na investigação dos casos, mantendo equipe do EpiSUS no município desde o dia 26 de abril. Os técnicos deixaram o município nesta semana para analisar os dados colhidos na região.

CASOS – Até o dia 18 de junho, foram confirmados, laboratorialmente, pelo Ministério da Saúde, 90 casos de toxoplasmose com indício de infecção recente. Nestes casos, o exame leva em consideração o período de infecção que deu positivo. Ou seja, é possível saber se a transmissão ocorreu neste surto atual, com a mesma fonte de infecção provável. 

Na literatura mundial, a prevalência da toxoplasmose pode ter sorologia positiva em até 50% da população e, por ter a forma crônica da doença, o resultado pode continuar dando positivo por anos após a infecção. Por isso é necessário diferenciar os casos recentes, para que a investigação epidemiológica do surto seja precisa. No entanto, cabe ressaltar que todos os casos estão sendo devidamente investigados e tratados. 

O principal objetivo de qualquer investigação de um surto é dar o atendimento necessário às pessoas que, possivelmente ou potencialmente, estão doentes. Para isso, é necessário diagnóstico médico e, muitas vezes, exame laboratorial. Nos casos das confirmações pelo Rio Grande do Sul, os critérios adotados definiram as pessoas que estão passíveis de receber a assistência devida. 

Já para fins de investigação de um surto, existe um outro objetivo. Além de identificar as pessoas doentes, o Ministério da Saúde tem que identificar qual a fonte de infecção para checar se há algum risco de repetição. Para isso, é preciso ter certeza de que esses casos estão associados a um período determinado de tempo. Por isso, o critério mais específico e a diferença de números. 

Cabe esclarecer que o fato da investigação do Ministério da Saúde chegar a 90 casos, não significa que outras pessoas não serão assistidas. Todos que receberem um diagnóstico clínico de que é passível de tratamento, de indicação de um acompanhamento médico, serão acompanhadas. 

AÇÕES – Uma equipe do Ministério da Saúde esteve em campo no município de Santa Maria (RS) desde o dia 26 de abril, quando houve pelo estado e município para auxílio nas investigações de um surto de toxoplasmose. As investigações foram feitas sob coordenação da Secretaria de Estado de Saúde do Rio Grande do Sul. Os técnicos da pasta deixam a cidade nesta segunda-feira (18) para continuar a investigação dos dados coletados, em Brasília. 

Cabe ressaltar que o Ministério da Saúde monitora a investigação junto à Vigilância Epidemiológica municipal e estadual e junto ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) da SES/RS. Além do monitoramento, o Ministério da Saúde realizou algumas ações, como: orientações técnicas para notificação; orientações sobre o diagnóstico e tratamento da doença; disponibilização de contato permanente com médicos especialistas na doença; emissão de nota informativa com orientações para apoiar a investigação de surto; disponibilização de laboratórios colaboradores para a realização de exames; envio de especialistas na doença para discussão presencial no município; realização de vídeo e web conferências; aquisição de insumos para a realização de análises laboratoriais, além do envio de profissionais de saúde para apoiar a investigação de campo e identificação das possíveis fontes de infecção. “

Central de Jornalismo – Fabricio Minussi (MTB 11.110)

Foto: Marcos Corrêa/PR/Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *